O MUNDO COMO UMA LARANJA
2002-presente

Gabinete de Arte Raquel Arnaud
São Paulo, 2003
vista da instalação

O mundo como uma laranja é uma peça em constante desdobramento. Aqui, um número sempre crescente de objetos tais como sapatos ou xícaras, portas e paredes, são tratados como frutas ou legumes numa bancada de cozinha; ou seja, são descascados, fatiados, picados.

Mais uma vez, o esforço é de trazer para determinados objetos aspectos estrangeiros a eles, como uma operação de camuflagem que, embaralhando padroes de reconhecimento, cria uma situação de intimidade entre elementos estranhos. Esses objetos mau-comportados, inconformados com sua posição no mundo, parecem querer indicar um universo de identidades móveis, sob a regência do adjetivo — e, numa manobra de desestabilização dos códigos que organizam a nossa percepção, propor um lugar onde substantivos deslizam.

Anterior ProximaMENU PRINCIPAL | TRABALHO RECENTE